Meio ambiente, saneamento e engenharia no Império e na Primeira República

R$49,00

Simone Fadel

REF: 9788576171553

Sinopse

Este livro, um estudo antropológico e histórico, relata as ações do grupo de engenheiros que compuseram a pioneira Comissão Federal de Saneamento da Baixada Fluminense no início do século XX, entre 1910 e 1916.   O livro é centrado na figura do engenheiro-chefe da Comissão, o “bacharel em ciências físicas e matemáticas” Fábio Hostílio de Moraes Rego, maranhense, que se fez engenheiro civil na prática profissional ainda nas décadas finais do Império. Na época, sanear era “nacionalizar”, no sentido de tornar pertencente à nação. A comissão chefiada por Moraes Rego foi a primeira que efetivamente se utilizou de recursos orçamentários públicos para traçar caminhos de intervenção técnica no meio ambiente, especificamente nas bacias hidrográficas que tornavam a Baixada Fluminense um espaço social marcadamente insalubre e desvalorizado. A atuação deste  tipo de comissão estava ligada a um projeto de modernização do país. Nesse sentido, o Saneamento da Baixada Fluminense se inseria no escopo governamental de modernização do espaço geográfico e de vitalização da região próxima ao Distrito Federal. Aí reside o pioneirismo da comissão, e, portanto, a necessidade de recuperar sua história. Segundo a autora, não se tratava apenas de apreço ao progresso econômico, mas de uma visão que já prenunciava, nas primeiras décadas do século passado, a ênfase no binômio saneamento/ecologia.

Detalhes

Peso 2700000 kg